pt

Relatório Final da ESMA

  • casa Produtos Artigos Período de transição para plataformas de financiamento coletivo da UE
Este artigo não é aconselhamento jurídico.

Período transitório para a prestação de serviços de financiamento coletivo na UE

19.05.2022

Relatório final

Aconselhamento técnico da ESMA à Comissão sobre a possibilidade de prorrogar o período transitório em conformidade com o artigo 48.º, n.º 3, do Regulamento (UE) 2020/1503

ESMA
19 de maio de 2022
ESMA35-42-1445

  1. Índice
  2. Pontos chave
  3. Aplicação do Regulamento aos prestadores de serviços de crowdfunding que prestam serviços de crowdfunding apenas a nível nacional
  4. Impacto do Regulamento no Desenvolvimento dos Mercados Nacionais de Crowdfunding
  5. A relevância de estender o período de transição

2. Pontos chave

Motivos para publicação

artigo 48.º, n.º 1, do Regulamento (UE) 2020/1503 (“ECSPR”) prevê um “período de transição para os serviços de financiamento coletivo prestados em conformidade com a legislação nacional”. Em particular, permite que os prestadores de serviços de crowdfunding continuem, de acordo com a legislação nacional aplicável, a prestar serviços de crowdfunding incluídos no âmbito da ECSPR até 10 de novembro de 2022 ou até que lhes seja concedida autorização nos termos do artigo 12.º da ECSPR . , o que ocorrer primeiro.

n.º 3 do artigo 48.º do ECSPR prevê que a Comissão Europeia (“a Comissão”), após consulta da Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (“ESMA”), deve avaliar determinados aspectos relevantes para determinar se uma prorrogação do período transitório referido é apropriado no artigo 48. (um). É aconselhável usar ECSPR.

Em 29 de março de 2022, a ESMA recebeu um pedido formal (mandato) da Comissão para prestar, até 27 de maio de 2022, parecer técnico sobre os aspetos referidos no n.º 3 do artigo 48.º do ECSPR, nomeadamente:

  • sobre a aplicação do Regulamento aos prestadores de serviços de crowdfunding que prestam serviços de crowdfunding apenas a nível nacional;
  • sobre o impacto do Regulamento no desenvolvimento dos mercados nacionais de crowdfunding e no acesso ao financiamento; e
  • sobre a conveniência de prorrogar o período de transição.

Dadas as limitações de tempo para prestar aconselhamento, a ESMA apenas realizou consultas não públicas específicas com as autoridades nacionais, as principais partes interessadas e as principais associações europeias de consumidores.

ESMA recebeu dados das ANC dos seguintes 22 Estados-Membros: AT, BE, BG, CY, CZ, DE, DK, EE, EL, ES, FI, FR, HU, IE, IT, LU, LV, MT, NL, PL, RO, SK.

Contente

O relatório final contém pareceres técnicos da ESMA. A Secção 3 trata da aplicação do Regulamento aos prestadores de serviços de crowdfunding que prestam serviços de crowdfunding apenas a nível nacional, a Secção 4 trata do impacto do Regulamento no desenvolvimento dos mercados nacionais de crowdfunding e acesso ao financiamento, e a Secção 5 discute a relevância de prolongar o período de transição.

Próximos passos

relatório final foi apresentado à Comissão Europeia em 27 de maio de 2022.

Definições e abreviações

  • ECSPR - Regulamento (UE) 2020:1503 de 7 de outubro de 2020 sobre provedores europeus de serviços de crowdfunding para empresas
  • KIIS - Boletim de Informações Chave de Investimento referido no artigo 23.º ECSPR
  • NCA - Autoridade Nacional Competente
  • Perguntas e Respostas - Perguntas e Respostas

 

3. Aplicação do Regulamento aos prestadores de serviços de crowdfunding que prestam serviços de crowdfunding apenas a nível nacional

 

3.1. Mandato

Extracto do pedido de parecer da Comissão

ESMA é convidada a prestar aconselhamento técnico para ajudar a Comissão a ponderar a necessidade de prorrogar o período de transição para os prestadores de serviços de financiamento coletivo já autorizados ao abrigo da legislação nacional, em conformidade com o artigo 48.º, n.º 3, do Regulamento, e mais especificamente nos seguintes aspetos:

  • sobre a aplicação do Regulamento aos prestadores de serviços de crowdfunding que prestam serviços de crowdfunding apenas a nível nacional;

 

3.2. Análise

3.2.1. Impacto esperado da ECSPR nos provedores de serviços de crowdfunding que se beneficiam do período de transição

  1. n.º 1 do artigo 48.º do ECSPR dispõe que “Os prestadores de serviços de crowdfunding podem continuar, nos termos da legislação nacional aplicável, a prestar serviços de crowdfunding incluídos no âmbito do presente regulamento até 10 de novembro de 2022 ou até que lhes seja concedida autorização, referida no Artigo 12, o que ocorrer primeiro”.
  2. Em pergunta e resposta publicada em 10 de novembro de 2021, a Comissão esclareceu que “(...) qual “lei nacional” pode ser um regime específico de crowdfunding ou outra lei aplicável ou simplesmente direito privado aplicável a operações de crowdfunding nesse Estado-Membro específico.”
    Q&A 2.1
  3. Consequentemente, a maioria dos provedores de crowdfunding que estavam ativos antes da entrada em vigor do ECSPR (ou seja, 10 de novembro de 2021) estão agora operando sob a lei nacional dentro do período de transição estabelecido no artigo 48(1) do ECSPR.
  4. Com base nos comentários recebidos da ANC, parece que a transição das leis nacionais relevantes para o quadro ECSPR deverá ser onerosa para os fornecedores de crowdfunding em toda a União.
  5. Com efeito, das 22 ANC que forneceram feedback à ESMA, 13 indicaram que não existe tratamento especial no seu Estado-Membro ao abrigo da legislação nacional. Para os fornecedores de crowdfunding estabelecidos nestes Estados-Membros, cumprir o extenso conjunto de requisitos ao abrigo do ECSPR revelar-se-á um grande desafio.
    Aqueles. legislação relativa ao crowdfunding, alguns ou todos os principais aspetos organizacionais e de proteção do investidor abrangidos pelo ECSPR
  6. As ANC dos restantes 9 Estados-Membros - aqueles que anteriormente tinham um regime específico de crowdfunding dedicado - calcularam que a adaptação ao ECSPR seria, no entanto, onerosa para os fornecedores de crowdfunding.
    2 ANC indicaram que os ajustes necessários seriam moderadamente onerosos (seriam necessários alguns ajustes significativos), 4 ANC indicaram que o ajuste seria oneroso (seriam necessários alguns ajustes significativos) e 3 ANC
  7. Alguns aspectos do regime estabelecido pela ECSPR foram especificamente apontados como sendo particularmente difíceis de implementar em uma organização existente, como requisitos de KIIS, informações para investidores sobre ofertas de financiamento coletivo com base em empréstimos, conflitos de interesse, serviços de custódia e pagamento ou uma entrada teste de conhecimento.

 

3.2.2. Status atual da inscrição ECSPR para provedores de serviços de crowdfunding que se beneficiam de um período de transição

  1. Com base nos dados coletados da NCA, parece que, em 22 de março de 2022, nenhum provedor de serviços de crowdfunding foi autorizado sob o ECSPR.
    A ESMA está ciente de que foi emitida na União pelo menos uma licença ao abrigo do SPR da CE desde 22 de março de 2022
  2. Parece também que, até esta data, apenas 15 plataformas de crowdfunding solicitaram autorização ao abrigo do ECSPR, de um número estimado de 271 plataformas da UE que atualmente desfrutam do período de transição (ou seja, 94,5% dos prestadores de serviços de crowdfunding na União não solicitaram para uma licença sob o ECSPR naquela data). Importa também referir que em alguns Estados-Membros a designação de uma autoridade competente responsável pelo processo de licenciamento ainda está a ser considerada em alguns Estados-Membros ou foi feita muito recentemente.
  3. Este baixo nível de pedidos de autorização recebidos é ainda mais pronunciado em alguns Estados-Membros com um número significativo de fornecedores de financiamento coletivo.
    Por exemplo, França (população estimada: 109 provedores de crowdfunding, 3 solicitações de autorização enviadas em 22 de março de 2022) ou Itália (população estimada de 54 provedores de crowdfunding e nenhuma solicitação de autorização enviada em 22 de março de 2022).

Razões identificadas para o atraso dos provedores de crowdfunding em solicitar autorização de acordo com o ECSPR

  1. Embora a situação de cada fornecedor de crowdfunding possa ser diferente, parece possível, com base no feedback recebido das partes interessadas, identificar o seguinte conjunto de razões para explicar o atraso dos fornecedores de crowdfunding da União em solicitar uma licença ECSPR:
    • Em primeiro lugar, parece que a transição do quadro nacional, muitas vezes relativamente mais leve, para o regime completo estabelecido pelo ECSPR representa um encargo significativo para os fornecedores de crowdfunding e obriga-os a reorganizar significativamente as suas organizações, procedimentos e operações em conformidade com o ECSPR. Consequentemente, uma grande parte dos provedores de crowdfunding na União ainda não está pronta ou pronta para cumprir o ECSPR. Esse motivo tornou-se a chave para explicar o atraso.
    • Em segundo lugar, espera-se que o aumento dos custos operacionais associados à conformidade com SPR da UE reduza as margens e a lucratividade do fornecedor. Com base no feedback recebido, o ECSPR também dificulta que as plataformas de crowdfunding atraiam investidores (especialmente investidores de varejo) e os projetos mais atraentes (em particular devido ao limite de € 5.000.000 estabelecido na alínea c) do n.º 2 do artigo 1.º do o ESCPR). Isso forçou alguns provedores (incluindo os grandes) a reconsiderar seu modelo de negócios.
    • Em terceiro lugar, parece que vários provedores de crowdfunding ainda aguardam ação de Nível 2 para ajustar seus procedimentos internos a um nível razoável de detalhes antes de solicitar autorização à sua ANC e, além disso, acreditam que alguns problemas relacionados à interpretação e aplicação do ECSPR merecem maiores esclarecimentos. Embora reconheça que várias medidas de Nível 2 estão disponíveis em sua versão preliminar, parece que os custos associados à reestruturação da governança e dos acordos operacionais fizeram com que vários provedores de financiamento coletivo atrasassem a implementação das mudanças organizacionais necessárias para contar com um quadro jurídico geral estável . .
    • Por fim, parece que a incerteza financeira nos últimos 18 meses devido à pandemia de COVID19 e à situação pós-pandemia também desempenhou um papel no atraso na solicitação de uma licença ao abrigo da ECSPR. Consequências potenciais de provedores de crowdfunding atrasarem a solicitação de autorização sob ECSPR
  2. ESMA acredita que o atraso da grande maioria dos provedores de crowdfunding em solicitar uma licença ECSPR com suas ANC poderia ter algum impacto negativo no mercado europeu de crowdfunding.
  3. Primeiro, é provável que muitos dos provedores de crowdfunding que ainda não se inscreveram o façam no final do período de transição (ou seja, final do segundo trimestre/início do terceiro trimestre de 2022). Se este cenário se concretizar, as ANCs enfrentarão um grande número de pedidos de licença. Em alguns Estados-Membros, isso pode significar várias dezenas de pedidos apresentados ao mesmo tempo. Esta súbita enxurrada de candidaturas tornará difícil às ANC, e especialmente às ANC dos Estados-Membros com um forte mercado de financiamento coletivo, conceder todas as aprovações solicitadas antes do final do período de transição. (ou seja, 10 de novembro de 2022). Com efeito, das 21 ANC que manifestaram a sua opinião sobre o assunto, 16 indicaram que, em tal cenário, seria difícil, muito difícil ou mesmo impossível conceder autorização ECSPR a todos os restantes prestadores de serviços de financiamento coletivo no seu Estado-Membro até 10 de novembro de 2022. Note-se que todas as ANC dos Estados-Membros com um mercado de crowdfunding mais ativo manifestaram preocupação, encontrando dificuldade ou impossibilidade de emitir uma licença antes de 10 de novembro de 2022.
    Essa. todos os restantes pedidos de autorização são efectivamente recebidos pela ANC entre o final do 2º e o início do 3º trimestre.
    Das 21 ANCs, 5 acharam que a emissão de permissões para todos os provedores de crowdfunding até 10 de novembro de 2022 seria um processo fácil, 4 esperavam que fosse difícil, 6 muito difícil e 6 acharam impossível.
  4. Como consequência do exposto, supondo que o período de transição não seja estendido, parece provável que um número (potencialmente significativo) de provedores de crowdfunding precise parar de fornecer serviços de crowdfunding (incluindo o lançamento de novas ofertas de crowdfunding) após 10 de novembro de 2022.
  5. Isso terá, em particular, 2 consequências:
    • Em primeiro lugar, os provedores de crowdfunding que não conseguirem obter a autorização oportuna terão que parar de cobrar dos clientes (investidores e proprietários de projetos) enquanto continuam incorrendo em seus custos operacionais fixos. Essa situação pode colocar alguns desses provedores em risco financeiro, às vezes em grande medida.
    • Em segundo lugar, os projetos de crowdfunding em andamento oferecidos nas plataformas de provedores de serviços de crowdfunding que não foram autorizados antes de 10 de novembro de 2022 devem ser imediatamente suspensos. Isso pode afetar negativamente o desempenho dos investimentos em tais ofertas, o que pode ter consequências negativas para os investidores que investiram seu dinheiro em tais ofertas.

3.3. Parecer técnico

ESMA convida a Comissão a considerar que a aplicação do CSAPR exige que os fornecedores de crowdfunding existentes efetuem alterações significativas na sua governação atual e nos seus acordos operacionais. A ESMA convida também a Comissão a ponderar cuidadosamente as implicações para o mercado europeu de crowdfunding da não prorrogação do período transitório previsto no artigo 48.º, n.º 1, do ECSPR.

Solicita-se especificamente à Comissão que observe que, com base nas informações recebidas de provedores de crowdfunding e da NCA, parece altamente provável que vários provedores de crowdfunding não sejam autorizados sob o ECSPR até 10 de novembro de 2022 e que, portanto, esses provedores precisarão suspender suas atividades comerciais enquanto continua a trabalhar. arcar com seus custos operacionais fixos. A cessação dos serviços de crowdfunding existentes também pode afetar os investidores, incluindo investidores inexperientes que investiram em projetos de crowdfunding oferecidos nas plataformas de prestadores de serviços de crowdfunding que usufruem dos benefícios do período de transição.

 

4. Impacto do Regulamento no Desenvolvimento dos Mercados Nacionais de Crowdfunding

4.1. Mandato

Extracto do pedido de parecer da Comissão

ESMA é convidada a prestar aconselhamento técnico para ajudar a Comissão a ponderar a necessidade de prorrogar o período de transição para os prestadores de serviços de financiamento coletivo já autorizados ao abrigo da legislação nacional, em conformidade com o artigo 48.º, n.º 3, do Regulamento, e mais especificamente nos seguintes aspetos:

  • sobre o impacto do regulamento no desenvolvimento dos mercados nacionais de crowdfunding

4.2. Análise

  1. Conforme declarado na seção 3, em 22 de março de 2022, nenhuma licença foi emitida sob o EC SPR. Assim, a ESMA não está em posição de aconselhar sobre as implicações da ECSPR.
  2. No entanto, o feedback recebido de alguns provedores de crowdfunding indicou que os ajustes e incertezas necessários associados à próxima aplicação do ECSPR impactaram negativamente o mercado de crowdfunding, em particular fazendo com que vários players adotassem uma abordagem cuidadosa ou repensassem seu modelo de negócios.
  3. Do ponto de vista da proteção do consumidor, espera-se que o fim do período de transição e a aplicação de facto em toda a União dos requisitos estabelecidos no ECSPR aumentem o nível de proteção oferecido aos investidores em toda a UE, e ainda mais para os investidores inexperientes. Uma associação europeia de consumidores observou que prolongar o período de transição pode ser prejudicial para os investidores, pois prolonga a situação em que diferentes regimes (por exemplo, ECSPR e leis nacionais) coexistem com diferentes níveis de proteção do consumidor.

4.3. Parecer técnico

Dado que nenhum fornecedor de crowdfunding até à data começou a operar com a licença CE SPR, a ESMA não está em condições de aconselhar a Comissão sobre a sua aplicação efetiva.

 

5. A relevância de estender o período de transição

5.1. Mandato

Extracto do pedido de parecer da Comissão

ESMA é convidada a prestar aconselhamento técnico para ajudar a Comissão a ponderar a necessidade de prorrogar o período de transição para os prestadores de serviços de financiamento coletivo já autorizados ao abrigo da legislação nacional, em conformidade com o artigo 48.º, n.º 3, do Regulamento, e mais especificamente nos seguintes aspetos:

  • sobre a conveniência de prorrogar o período de transição

5.2. Análise

5.2.1. A relevância da extensão em termos de defesa do consumidor

  1. À luz do atual sistema de proteção dos investidores fragmentado devido à diversidade das legislações nacionais, e conforme confirmado pela associação de consumidores à escala da UE, a decisão de não prorrogar o período de transição seria mais adequada para garantir a proteção dos consumidores. Com efeito, é do interesse dos investidores, e especialmente dos investidores inexperientes, em toda a União, beneficiar o mais rapidamente possível de um conjunto harmonizado de regras que proporcione um elevado nível de proteção. Além disso, como referido anteriormente, o prolongamento de uma situação em que coexistem diferentes regimes (ou seja, ECSPR e leis nacionais) com diferentes níveis de proteção do consumidor, o que pode prejudicar o nível geral de proteção dos investidores na União.
  2. Sobre esta importante questão, importa referir que a grande maioria dos prestadores de crowdfunding que beneficiam atualmente dos benefícios do período de transição têm sede nos Estados-Membros, onde, no entanto, existe um regime especial de crowdfunding que confere algum nível de proteção ao investidor.
    Com base nas informações fornecidas pelas ANC, os seguintes 9 Estados-Membros têm um regime especial de financiamento coletivo em BE, DE, EL, ES, FI, FR, IT, NL. De acordo com as ANC, existem 234 prestadores de crowdfunding nestes 9 Estados-Membros de um total de 271 prestadores em 22 Estados-Membros

5.2.2. Relevância da expansão do ponto de vista do mercado de crowdfunding

  1. Com base no feedback recebido das partes interessadas, parece que um número significativo de provedores de crowdfunding ainda não está pronto para operar de acordo com o ECSPR por motivos detalhados na Seção 3.2.3. Estender o período de transição dará aos provedores de crowdfunding mais tempo para se preparar. No entanto, essa extensão não deve ser um meio para os provedores de crowdfunding adotarem uma abordagem cautelosa, mas sim um meio de empurrá-los para a transição para o ECSPR o mais rápido possível.
  2. Além disso, conforme referido na secção 3, é preocupante o número muito reduzido de pedidos de autorização recebidos de prestadores de serviços de financiamento coletivo que atualmente prestam serviços de financiamento coletivo em conformidade com a legislação nacional (ou seja, apenas 15 em 22 Estados-Membros, fornecendo dados à ESMA, de a população estimada nos mesmos 22 Estados-Membros de 271 Provedores de Crowdfunding).
  3. Existe um risco tangível de que várias ANC, e especialmente as dos Estados-Membros com o maior número de fornecedores de crowdfunding, não consigam aprovar as candidaturas de vários fornecedores de crowdfunding antes de 10 de novembro de 2022. Conforme já referido, as implicações financeiras da suspensão destes fornecedores poderão ser graves e afetar negativamente os respetivos mercados nacionais.

5.2.3. Opiniões de ONGs sobre possível expansão

  1. Das 18 ANC que expressaram os seus pontos de vista sobre este tema,10 6 ANC indicaram que consideravam indesejável uma prorrogação do período de transição e 12 ANC manifestaram a opinião de que tal prorrogação seria desejável.
  2. As 10 ANC que consideram a renovação desejável são dos Estados-Membros, representando cerca de 84% (227 empresas em 271) do número total de fornecedores de crowdfunding na União.

5.3. Parecer técnico

Embora a extensão do período de transição atrase a aplicação das regras de proteção ao investidor acordadas, parece que os riscos em jogo para o mercado europeu de crowdfunding como um todo são significativos se a extensão não for implementada. Por esta razão, a ESMA apoia a prorrogação do período de transição. Ao mesmo tempo, a ESMA considera que tal extensão deve ser concebida (i) de forma a evitar mais atrasos indevidos na transição para a ECSPR, ao mesmo tempo que (ii) assegurar que nenhum prestador de crowdfunding existente com um pedido de autorização pendente em última instância interromper suas atividades.

Por conseguinte, a ESMA convida a Comissão a explorar a possibilidade de prorrogar o período de transição apenas em benefício dos prestadores de serviços de financiamento coletivo que operam atualmente ao abrigo da legislação nacional e que solicitaram uma autorização ao abrigo do ECSPR antes do final do atual período de transição.

Para o efeito, e para facilitar o tratamento adequado e atempado das candidaturas recebidas pela ANC, a ESMA propõe que essa prorrogação seja alargada aos prestadores de crowdfunding que tenham solicitado uma autorização ao abrigo da ECSPR até 1 de outubro de 2022.

Plataforma de financiamento coletivo Regulamento (UE) 2020/1503